segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

A IMAGEM PELAS PALAVRAS


"Ergui os olhos e julguei ver o espectro de uma grande tempestade negra a abrir as asas sobre a cidade. Um sopro de luz branca rasgou o céu e um manto tecido de gotas de chuva desabou como uma miríade de punhais de vidro. Um momento antes da primeira gota roçar o chão, o tempo parou e centenas de milhares de lagrimas de luz ficaram suspensas no ar como grãos de pó."
Quando as palavras nos riscam na memória, imagens que nunca imaginámos.
Do livro "o Jogo do Anjo" de Carlos Ruiz Zafón

26 comentários:

simplesmenteeu disse...

"A arte aqui tão perto..." ou o milagre da transformação...
Impensavél... mas não impossivel!
Poeira de luz...
Envolvente... ou mágico momento...
(tentarei ler)
Beijos

Ana Oliveira disse...

Simplesmenteeu

Tudo se transforma, transmuta...
Nada é impossível...basta querer!

Lê! é um autor que merece a pena. E depois lê a sombra do vento. Acho que vais gostar!

Beijos

Maria disse...

Os elementos e as palavras que se cruzam com a memória.
As que transcreveu e as suas trouxeram de lá estas minhas [que aconselho face a qualquer tipo de fúria elementar (srsrs)]:


Quietude

Como aquele rochedo
enfrenta a fúria do mar
com impassível quietude
aplaco ondas altaneiras
transformando o silvo agudo
em calmo marulhar

e tudo amaina
em cadência lenta
num branco espumar


Com votos de uma "branca" noite.
Maria

Ana Oliveira disse...

Maria

Quietamente espero a noite "branca" e agradeço a partilha das palavras, que guardarei.

Boa noite

Beijos

Ana

Baby disse...

Olá Ana, foi um prazer a tua visita e pelas palavras tão gentis que lá deixaste, os meus agradecimentos sinceros.
Já te conhecia de nome e uma vez tinha tentado entrar no teu blog, mas não consegui. Agora ficaremos ligadas!
Lindo este texto que publicas. Gosto de Carlos Ruiz Zafon, e não dispensarei a leitura deste último livro.
Um beijo.

Ana Oliveira disse...

Baby

Bem vinda!

Também já me tinham falado de ti (bem, como é apanágio da nossa amiga comum ), também já tinha visitado o teu blog várias vezes mas nunca deixei comentário.
Agora vai ser mais fácil.

Gosto muito deste autor e deves ler este livro se também gostas.

Beijos

Ana

CigarraJazz disse...

Ana, A Sombra do Vento foi dos livros mais magnetizantes que alguma vez li. Fiquei logo a fazer parte da estatística dos apreciadores de Carlos Ruiz. "O Jogo do Anjo" também já aguarda ávida leitura numa estante cá de casa.

Amanhã vou/vamos tentar ir à sua expo. Será que teremos a dita de lá encontrar a sua autora?

Bjs.

Ana Oliveira disse...

Cigarra

Záfron é daqueles autores que me prendem do principio ao fim, que me fazem lamentar o fim do livro e recomeçar a lê-lo assim que digiro o 1º deslumbramento.

Como já disse, amanhã estarei na galeria, se for o caso, depois das 18, porque dou aulas até essa hora. Se souber a que horas vão verei o que posso fazer, diga-me, se já programou a vinda.

Beijos

Ana

CigarraJazz disse...

Ana,
Já está combinado - amanhã lá estaremos por volta das 18h30.

Beijos e...até amanhã?!

NAFTAMOR disse...

Hummmmmmmmm

Bom dia
para conhecer a Lar-------!!!!

Ana Oliveira disse...

Cigarra

Estarei la de certeza.

Beijos
Ate logo.

Ana

Ana Oliveira disse...

Naft

Pois e um bom dia...e para conhecer a Leoa, sera????

Beijos

Ana

NAFTAMOR disse...

Nahhh!!!

Muita gente e Leoa não brilhava!!!

Mil beijinhos

Ana Oliveira disse...

Naft

Pois,pois...leoa que nao brilha fica como um gatinho...
Ah coragem!!!

Beijos

Ana

NAFTAMOR disse...

Foi só uma graça;
não abuses!!!

Um beijo

simplesmenteeu disse...

Gostava de estar e tudo ver... num canto invisivel e silencioso...
Felicidades! Voando estou...contigo.
Talvez no ar que passa num carinho breve... talvez por dentro do olhar...
Beijos

kris disse...

Amiga...

vim cá deixar-te um beijo...e o meu obrigado.

beijo

Ana Oliveira disse...

Kris

Não tens que agradecer...as amigas, mesmo que nestes espaços virtuais, são para as horas divertidas e para as menos boas.

Beijos

Ana

Ana Oliveira disse...

Simplesmenteeu

Obrigada pela presença invisivel...talvez perceptível num brilho solto de que se não conhece a origem, num som desgarrado que se não sabe de onde vem...num invisivel bater de asas leves.

Beijo

Ana

simplesmenteeu disse...

...algures, onde a água e o ar se tocam, onde as nuvens são manto e aconchego... Astreia tece, em fios invisiveis, a grinalda de luz com que iluminará as noites...
Obrigada pelo cântico que apaga o silêncio das horas.

Beijos

Ana Oliveira disse...

Simplesmenteeu

Nesse horizonte longinquo, brilha a justica iluminada e virginal...
O cantico soara por todas as horas...enquanto o silencio for nosso e o desejarmos!

Beijos

simplesmenteeu disse...

A justiça escapa, às vezes, das nossas mãos impotentes. Os pratos desiquilibram-se...
Onde queriamos ver o afago, secam os lábios e os beijos...Na finura dos dedos, podem nascer a ferida ou a lança...

Mas, o silencio é nosso... E o cantico, o espaço onde voaremos, no azul sem fim das madrugadas...
Beijos

kris disse...

Bem, hoje dei por mim a olhar para os livros do Carlos Ruiz Zafrón, e como falaste a Sombra do Vento..tenho de ler os dois..qual deles leio primeiro?

Ana Oliveira disse...

Simplesmenteeu

No azul de todas as madrugadas.

Beijos

Ana

Ana Oliveira disse...

Kris

Eu gostei de ter lido primeiro A sombra do Vento, preparou-me para a leitura deste.

Beijos

Ana

Maria Clarinda disse...

E depois de ler o Sombras do vento, tanbém começei há dias a ler este...
Lindo, adore andar mais uma vez pelo teu blog!!!
As tuas fotos são lindas!