quarta-feira, 27 de maio de 2009

TARDE NA CIDADE


Cobri-me hoje com o manto da cidade
Fui pedra, telha, barco, horizonte
E o voo das aves sobre as casas
Abriu-me no peito as vielas
Onde escondi os passos que não dei
E as palavras que disse e já não sei.
Foto Google

7 comentários:

CigarraJazz disse...

Ana,

Identifico-me com e gosto muito desse poema.

Beijos

NAFTAMOR disse...

Uma Boa noite para ti

Palavras rimadas
Palavras que se dizem, por acaso ou não, mas que saem muitas vezes sem querer

Um beijo

Ana Oliveira disse...

Cigarra

Obrigada...
As palavras sao "nossas" por isso nos unem mais vezes do que nos separam.

Beijosx2

Ana

Ana Oliveira disse...

Naft

Acredita que saem sem querer e depois se mostram tao adequadas ao sentimento.

Beijos

Ana

simplesmenteeu disse...

É esse teu dizer de uma beleza tocante e natural que sempre me encanta.

Beijos

Ana Oliveira disse...

Simplesmenteeu

Obrigada.
As palavras andam soltas e voam, rodeiam-nos e , de vez em quando, caem nasnossas maos...

Beijos

Ana

kris disse...

Lindas palavras, rimadas ou não, estão cobertas de sentimento.

um beijo