sexta-feira, 12 de outubro de 2012







O azul que me veste as mãos por dentro 
é ainda o profundo azul da noite 
em que bebi no sal da tua pele
o branco aceso do meu corpo 
e o silêncio da aragem miuda
que antes da chegada do vento
te havia de romper os olhos
em lágrimas de espanto e sede
pela sombra dos meus dedos.



Foto da Net

8 comentários:

Isa Lisboa disse...

A foto acompanha muito bem esta pequena poesia, de que gostei muito!

Beijos e bom fim de semana

© Piedade Araújo Sol disse...

a foto está bem escolhida para um belo poema.

gostei!

beij

Poesia Portuguesa disse...

Espero que não te importes que tenha levado "emprestado" este poema (e a imagem, também)
Como não tinha título "dei-lhe" um... algum problema será de imediato retirado.
Grata pela partilha.
Um abraço e bom fim de semana

Ana Oliveira disse...


Obrigada Isa

A foto encontrei na net e achei linda... as palavras são mesmo pequeninas mas muito "azuis"

Bom inicio de semana

Beijinhos

Ana Oliveira disse...


Obrigada Piedade

Um beijo

Ana Oliveira disse...


"Poesia Portuguesa"

Já fiz uma visita a agradecer a gentileza... gostei do título.

Obrigada

Um abraço e boa semana

fernando disse...

Ana!

Vou remar contra a Maré dos seus Admiradores do Poema.

Primeiro Poema fraco e sem vida.
Palavras bem adocicadas sem som; desligadas da Realidade.

Depois pergunto, ainda que a Foto seja tirada da Net, já não há mulheres de cabelo escuro ou castanho em Portugal?! Quase todas as ilustrações dos Blogues têm de ser Loiras!

Por fim já que a foto tem uma Loira com o traseiro bem bonito à mostra. A meu ver; do lado oposto, ficaria muito melhor com um homem apaixonado. Em vez de um fantasma, ainda que tenha a cara pintada de um azul Frio!

Jc

Ana Oliveira disse...

Bom dia Fernando

Obrigada pela sua opinião desassombrada.

Embora o que escrevo não seja mais do que o resumo do que penso ou sinto, sem pretensões de ser poema, que poeta não sou, é bom saber como soa a quem lê.

Quanto à foto, gostei do loiro "falso", quase palha e das máscaras... do outro lado da mulher de traseiro à mostra (nem reparei no pormenor) está uma outra imagem de si mesma, digo eu....

Ana