segunda-feira, 20 de julho de 2009

REENCONTRO


Há trinta e cinco anos atrás...ou:
CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCc
Era uma vez um livro, que recebi de presente de aniversário.
Li-o de um fôlego. Reli-o para saborear. Pouco depois perdeu-se na voracidade da mudança.
Podia falar de como me encantou a escrita, da descoberta de pequenos pormenores de uma cultura de que pouco conhecia, da surpresa de uma forma de olhar a natureza que me era estranha. Mas uma imagem permaneceu intacta, uma história continuou a ser a história que não esqueci - Um artista, pintor, criador de desenhos para Quimonos e Obis (cinto largo que fecha o quimono) retira-se para um mosteiro, procurando inspiração para os seus desenhos e coloridos, no recolhimento. Um pequeno apontamento que espelhava dois sentimentos que sempre me acompanharam, o de poder resumir-me às cores e ao silêncio.
CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCc
Recentemente, de passeio por Paço de Arcos, num domingo ao fim da tarde, olhando distraidamente uma montra com livros antigos, reencontrei-o. Quase escondido, quase a passar despercebido. Voltei para buscá-lo. Peguei-lhe com a sensação de que tinha recuado no tempo. A mesma edição...a mesma capa. Abri-o como se fosse encontrar a dedicatória escrita na primeira página. Voltei a ter vinte anos, ao tempo em que todas as palavras me sabiam a novas, em que as aspirações eram sombras ainda sem nome e um livro era o mundo nas mãos.
CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCc
E assim, antes e depois de "Chá e Amor", "A Dançarina de Izu" e de "Terra de Neve", "Kioto" de Yasunari Kawabata!
CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC
Kioto de Yasunari Kawabata. Tradução de Virgílio Martinho. Capa de Lima de Freitas. Publicações Dom Quixote, Maio de 1969.
CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC
Foto Google. Pintura de Ogata Gekko (1868-1912).

8 comentários:

Fatima disse...

Que bom Ana.
Os livros são um bem precioso.

Há muitos anos emprestei um que nunca mais reavi, e nunca encontrei igual....

Esta capa do Lima de Freitas, é linda, como só o mestre sabia pintar....

Maria Bettencourt Lemos disse...

Há coisas incriveis ...de facto! Este foi um fabuloso reencontro!!
Um abraço Ana e uma semana optima para si,
Maria Lemos

Isabel disse...

e a oriente tudo é tão diferente....
o cheiro o som a terra a música o ser.



_________________.


(piano)

Mary disse...

Olá Ana,
obrigada pela visita, e agora que falou de Zhostovo, veio a minha memoria de maneira fugaz as imagens de algumas pinturas dentro do estilo, feitas sobre xisto que saíram na revista da Bricolage, se não me engano são pintadas por si...pois seria uma vergonha para mim confundir a pessoa,...mas penso que não!! corrija me se estou enganada, Belas essas pinturas, muito bem executadas, adorei quando ali as vi!!! nunca experimentei esse estilo.. e há que ter uma mão muito bem treinada!!! mas um dia destes arrisco,
espero que consiga informação na net sobre Petrikivka, eu nem por isso...só tenho alguns desenhos, pelos quais me guiei..e usei os conhecimentos que já tenho na realização de pinceladas...
Bjs e continuação de boa semana

Ana Oliveira disse...

Fatima

Livros, para mim, são mais do que especiais...são seres vivos, sem os quais não vivo!

Beijos

Ana

Ana Oliveira disse...

Maria

Foi quase um "milagre", dado que estão esgotadas todas as edições em português...já tinha encomendado e só se houvesse nova edição.

Beijos

Ana

Ana Oliveira disse...

Isabel

Tudo isso...tão surpreendente.

Um beijo

Ana

mariabesuga disse...

Adorei a referência e vou tentar comprar encomendando aqui na minha livraria nas Caldas da Rainha. A Loja 107. Tomara que consigam arranjar. Se não conseguirem... tento em Lisboa.
Achei apetecível pela descrição...

Beijinho.