segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

TEMPO



:
:
Serei areia a esgotar-se entre dedos cansados
cor roída na voracidade crua do tempo
palavra solta num caderno sem linhas
desvanecida a tinta que a tornou realidade.
:
Serei dança em pontas que não me erguem
rasto de linha quase pura em tela carcomida
jogo de luz quente e sombra misteriosa
num quadro que ninguém adivinhou.
:
Serei sempre o mesmo verbo murmurado e breve
que me soltou ao vento acre da loucura
e não me espanta o regresso da certeza
de ser assim no tempo repetida.
:
Fotomontagem Ana Oliveira e Costa

3 comentários:

Benó disse...

como sempre, gosto de aqui vir.
Um abraço-

Pedrasnuas disse...

SERÁS TUDO O QUE QUISERES SER...A VIDA DEU-TE A VOCAÇÃO DA ARTE ....O TALENTO PARA TRANSFORMARES AS COISAS...E DE O FAZERES LIVREMENTE E COM MESTRIA...

BEIJO GRANDE

Maria disse...

Bonito, o teu Tempo...

Um beijo.