sábado, 12 de junho de 2010

CIDADE MOLHADA

:
:
:
:
As vozes soam altas, os risos multiplicam-se no ar húmido e o passar dos carros canta na rua molhada pela chuva recente. Os passos têm ecos líquidos e apressados. As luzes reflectem-se mil vezes em cada gota suspensa nos ramos surpreso e lavados.
Pela janela entra o fresco da noite a amaciar o peso nos olhos e o langor cansado da hora adiantada na vigília, o fumo do cigarro foge para um céu escuro e brilhante e há uma paz inesperada no silêncio da casa dormente.
As mãos descansam finalmente no colo enquanto a cidade molhada chora goteiras de nuvens tardias e respira saudades de primavera na promessa do verão.
:
:
Foto Ana Oliveira

5 comentários:

Me Hate disse...

Sou qualquer coisa que fui. Não me encontro onde me sinto e se me procuro, não sei quem é que me procura. Sinto-me expulsa da minha alma.

Estou como o tempo da foto: a vontade de emergir um sol quando, no fundo a única coisa que cai é um choro que pode ser uma chuva miudinha!

A noite nasce como o dia: sempre em escuridão, dúvida e falta de luz!

Liliana disse...

Excelente diálogo entre imagem e texto. Adorei!

Um beijo

najla disse...

Adorei o texto! Lindo!
Um beijinho

maré disse...

também gostei deste quase abandono.


____

beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

gostei desta cidade molhada que chora.

gostei da foto.

bom fim de semana!

beij