quinta-feira, 19 de março de 2009

MAJOLICA










"Técnica vinda de Itália e introduzida na Península Ibérica a meados do século XVI. Não é simples clarificar a origem do termo; talvez uma locução italiana para Maiorca, porto de onde eram exportados os azulejos, ou uma metamorfose do termo Opera di Mallica usado desde o século XV para designar a mercadoria italiana exportada do porto de Málaga. O termo faiança, utilizado a partir do século XVII, tem origem no centro italiano Faenza onde era produzida esta cerâmica.A majólica veio revolucionar a produção do azulejo pois permite a pintura directa sobre a peça já cozida. Após a primeira cozedura é colocada sobre a placa um líquido espesso (branco opaco) à base de esmalte estanifero (estanho, oxido de chumbo, ateia rica em quartzo, sal e soda) que vitrifica na segunda cozedura. O oxido de estanho oferece à superfície (vidrado) uma coloração branca translúcida na qual é possível aplicar directamente o pigmento solúvel de óxidos metálicos em cinco escalas de cor: azul cobalto, verde bronze, castanho manganésio, amarelo antimónio e vermelho de ferro (que por ser de difícil aplicação pouco surge nos exemplos iniciais). Os pigmentos são imediatamente absorvidos, o que elimina qualquer possibilidade de correcção da pintura (designada decoração ao grande fogo). O azulejo é então colocado novamente no forno com temperatura mínima de 850°C revelando, só após a cozedura, as respectivas cores utilizadas."

CCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCCC

Actualmente, as tintas utilizadas, exigem a queima dos azulejos e das pecas de chacota a uma temperatura mínima de 980 graus.
Fotos Google
Wikipedia

1 comentário:

alice disse...

:) gosto muito destas peças. trouxe algumas de maiorca quando lá estive. boa noite e um beijinho.