domingo, 1 de fevereiro de 2009

PAZ

click to comment

A Paz não pode ser uma palavra oca, desprovida de sentido, que usamos como formula despreocupada para ficar de consciência mais ou menos tranquila.
A Paz tem de ser o sentimento presente na relação com os outros e com tudo o que nos rodeia.
A Paz tem de começar em cada um de nós e como uma luz, espalhar-se de mão em mão, abraçar todos os homens, todos os seres, toda a terra, até que as sombras dos cantos amargos e tristes da injustiça fiquem iluminados e assim não possam mais permanecer impunes.
Foto Google

8 comentários:

pequeninasideias disse...

ola minha querida,é par te desejar uma optima semaninha e dzer-te para passar no meu bog porque tenho um selinho para ti,e que vais gostar!!!

um grande bjinhoooo

CigarraJazz disse...

Sábias palavras, Ana. É isso mesmo.

Bjs.

simplesmenteeu disse...

Este devia ser o verdadeiro sentido da vida.
A Luz e a Paz. Destruir e desfazer injustiças, desigualdades, preconceitos. Ter sempre uma mão livre e um abraço pronto a ser dado. Um grito capaz de soltar...
Dia bom para ti
Beijos

kris disse...

A Paz começa em nós e acaba em quem nos rodeia..

e é muito bom sentir que estamos em paz com o mundo e connosco.

Fico feliz que te sintas dessa forma, porque sei tão bem qual é a sensação :)

beijo*

Ana Oliveira disse...

Pequeninas ideias

Obrigada pelos votos e pelo selo.
Tenho a certeza de que vou gostar. Lá irei assim que puder.

Beijos e boa semana também para ti

Ana

Ana Oliveira disse...

Cigarra

Se todos começassemos por dar as mãos a quem está ao nosso lado e assim se espalhasse a boa vontade, seria tão mais fácil deixar os injustos fazedores da guerra sózinhos, isolados, incapazes de se movimentarem pela força da nossa força!

Beijos

Ana Oliveira disse...

Simplesmenteeu

Completaste o meu pensamento e as minhas palavras.

Obrigada

Um bom dia para ti também.

Beijos

Ana Oliveira disse...

Kris

Tens razão, a paz começa em nós, está dentro de nós e, acredita, mesmo os piores momentos da vida, foram sempre externos e poucas vezes me senti menos em paz...felizmente.

Beijos

Ana