sábado, 7 de agosto de 2010

:
:


:
:
Sereníssima a tarde caía como um véu de paz a cobrir a cidade
o canto preguiçoso dos pássaros chamava a noite
e a brisa era um afago na última claridade do dia.
Tão pouco e tanto, na marcha das horas imparáveis,
o contentamento breve, intenso e iluminado 
de um momento com sabor a eternidade.
:
:
Foto Ana Oliveira
:
:

4 comentários:

simplesmenteeu disse...

Sentei-me e fiquei a olhar o infinito...a linha onde a lua se desenha redonda e nua.
Os pássaros continuaram a cantar... como se dia e noite se tivessem confundido numa hora plena e única.

Beijo

Ana Oliveira disse...

Há horas assim infindáveis porque se desenham na contraluz dos desejos.

Um beijo

Judite Pitta disse...

Olá Ana, tudo bem?
Obrigado pela visita e comentários. É sempre bom sabermos dos amigos, mesmo virtuais, e embora andemos agora um pouco "afastadas" (ele é o blog, o faceboock, o trabalho, eu sei lá que mais!..e o tempo não estica, antes pelo contrario parece que mingua) mas a amizade continua imperturbável e a Ana continua com coisas lindas e muita poesia nos seus escritos. Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

tanto a foto como o texto, inundaram-me de paz.

grata!

um beij